Início / Blog

Blog

shutterstock_1407345860_small

Contabilizando centavos a partir do desperdício de leite

out 04, 2019

A embalagem plástica de leite de um galão.

Se você mora nos EUA e tem menos de 45 anos, você viu essa embalagem a vida inteira.

A partir do final da década de 1960/início da década de 1970, ela representou a substituição das garrafas de vidro pesadas, frágeis e retornáveis.

É um artefato do início da era do plástico.

As embalagens de plástico originais pesavam 120 gramas ou mais, mas os avanços tecnológicos, aliados ao aumento do preço da resina de polietileno de alta densidade (PEHD), foram capazes de reduzir os pesos das garrafas para apenas 53 gramas.

Um pouco mais leve e cheia de gás hélio, a embalagem flutuaria para longe.

Parece bastante inofensiva, não é verdade?
No alt text provided for this image
É uma embalagem reciclável aprovada e aceita pelo consumidor.

Tudo certo.

Mas se você a preencher com uma envasadora de nível de contato (a tecnologia existente para esse tipo de recipiente), isso pode custar milhares de dólares aos seus negócios todos os meses com desperdícios desnecessários.

Primeiro, um pouco de história...

As envasadoras de nível foram projetadas inicialmente para recipientes rígidos como o vidro.

Garrafas robustas, pesadas e inflexíveis podem ser uniformemente cheias a níveis precisos.

As primeiras garrafas de plástico também eram robustas o suficiente para suportarem o peso de uma pessoa sobre elas e podiam receber um envase com um peso final exato.

A vedação entre a válvula e a garrafa era um disco plano, e o ar deslocado da garrafa era expelido diretamente para cima a partir de um tubo na tremonha, tanque ou cuba acima do produto.

Quando o líquido alcançava e bloqueava a entrada de ventilação, o nível era definido.

O nível de envase permanecia inalterado quando a válvula era fechada e o tubo de ventilação retirado.

(Na verdade, o nível diminuía em uma quantidade diminuta quando a ponta do tubo de ventilação era retirada do produto.)

No entanto, à medida que os pesos das garrafas diminuíram, sua rigidez estrutural também diminuiu.

Se você já viu uma válvula de envase para uma embalagem de PEHD de meio galão ou um galão, certamente notou uma pequena vedação dinâmica que se fecha e se expande à medida que a garrafa se engata e se desengata à válvula de enchimento.

O desenvolvimento desse diafragma, comumente chamado de borracha de vedação expansível, foi diretamente motivado pelo fato das embalagens de plástico se tornarem mais leves e menos rígidas.

Ele substituiu a borracha de vedação plana da época das garrafas de vidro.

Por que a borracha de vedação expansível era necessária?

O princípio mecânico simples da válvula de nível exige que a garrafa ou a embalagem esteja sujeita à pressão principal do tanque de suprimento ou do recipiente de enchimento.

As garrafas rígidas eram inflexíveis e podiam suportar essas forças internas com pouca ou nenhuma deformação.

No entanto, as garrafas de plástico se comportavam mais como balões e se expandiam sob essa pressão.

Se repentinamente liberada da válvula, a garrafa, aliviada de cerca de meia libra (psi) de pressão interna, se contrairia e o produto seria ejetado do bico.

Assim, a borracha de vedação expansível foi desenvolvida.

Seu objetivo era receber e conter essa quantidade deslocada.

A garrafa subsequente a entrar em contato com a válvula comprimiria o expansível e o conteúdo deste seria dispensado na garrafa nova e vazia.

Embora a borracha de vedação expansível esteja em uso há muito tempo e seja aprovada para uso por órgãos reguladores e sanitários, ela traz uma série de problemas.
Para começar, ela requer substituições regulares para funcionar corretamente.